Exxon Mobil. Dividendos em alta. Resultados em queda.

Compartilhe

A Exxon Mobil é a maior produtora mundial de energia já algum tempo. A empresa registrou uma perda pela primeira vez em anos em seu último relatório trimestral, mas ainda manteve seu pagamento de dividendos. A Exxon Mobil possui um histórico de 38 anos de aumento no pagamento de dividendos. Pela primeira vez em algum tempo, a empresa registrou uma perda de US$ 610 milhões no último trimestre. As vendas e as receitas operacionais foram duramente atingidas pelos preços em queda do petróleo, enquanto os custos permaneceram altos. Em muitas empresas de petróleo no mundo isto aconteceu.

 

A Agência Internacional de Energia estima que a demanda global de energia aumentará 20% entre 2015 e 2030. No entanto, a maior parte desse aumento virá da China e da Índia. Segundo outras análises, acredita-se que os países da OCDE (Organização de Cooperação e de Desenvolvimento Econômico) reduzam seu consumo de energia em 5% no período 2015 a 2040. É na Europa e nos Estados Unidos onde a Exxon Mobil vende a maior parte de sua energia. Quase 80% das vendas são provenientes dessas regiões.

 

A Exxon Mobil enfrenta sérios desafios operacionais em termos de lucratividade e crescimento. O futuro dos preços do petróleo e da energia ainda não está claro após a pandemia da Covid-19. A empresa pode manter a sua política de distribuição de dividendos nos próximos anos, mas à medida que os seus fundamentos se tornam mais instáveis, o seu fluxo de caixa livre se afasta ainda mais dos dividendos. Estes dividendos terão que ser financiados. Assim, seus investidores pagam o preço por meio da depreciação do capital.